Prós e contras do treino em jejum

O jejum tem alimentado muitas discussões entre os praticantes de atividade física. Há quem defenda as vantagens de fazer o treino depois de passar horas sem comer e quem entenda que essa atitude não traz ganhos para o atleta amador.



A prática, como quase tudo, tem prós e contras. “É importante dizer que ninguém deve fazer exercícios sem se alimentar sem estar pelo menos já acostumado com a prática do jejum. A maioria dos artigos fala de uma prática de exercícios de leve a moderada, por em média, 45 minutos, para obter os benefícios. Como costumo dizer no consultório, temos que individualizar”, explica a médica nutróloga Patrícia Savoi.


O tempo de jejum varia muito de uma pessoa para a outra e os benefícios ou os malefícios dependem muito do objetivo de quem está praticando a atividade física.


“O exercício durante o jejum aumenta a lipólise (quebra de gordura) no tecido adiposo, ao mesmo tempo que estimula a oxidação da gordura periférica, resultando em maior utilização da gordura como fonte de energia e perda de peso. Vários estudos indicam um impacto mais amplo do jejum, com efeitos no metabolismo da proteína e da glicose em indivíduos sedentários e não treinados. No entanto, existem dados conflitantes sobre os efeitos do jejum no metabolismo da glicose em atletas altamente treinados”, diz Patrícia.


“Se a pessoa visa o emagrecimento e faz um exercício aeróbico, de curta duração, como uma corrida de, no máximo, 30 minutos ou uma caminhada de leve para moderada, ela pode ter uma vantagem de oxidar mais gordura por treinar em jejum”, fala o nutricionista Gustavo Pimentel, da ABNE (Associação Brasileira de Nutrição Esportiva).


Outro ponto positivo é para quem não se sente bem ao comer pela manhã e pratica atividade física a essa hora do dia. “Se a pessoa tem desconforto gastrointestinal e não consegue comer a quantidade suficiente antes de fazer exercício pela manhã, praticar o jejum é uma vantagem. Assim, a pessoa não tem náusea ou flatulência que a impeça de fazer exercício”, fala Pimentel.


Segundo Pimentel, a principal desvantagem do jejum é que o treino pode não evoluir. “A pessoa que quer ganhar massa muscular e faz musculação em jejum, tem que pensar que, durante o exercício, usamos preferencialmente carboidrato. Em atividade de curta duração, mas muito intensa, dificilmente vai haver evolução no treino em jejum. Algumas pessoas até conseguem, mas para isso tem de ter um consumo calórico e de carboidrato muito alto, no dia anterior.


Quando o corpo está em jejum e não pode retirar energia do carboidrato que não consumiu logo antes da atividade física, ele busca a energia em outro lugar. “Por exemplo, um treino de hipertrofia não faz sentido fazer em jejum porque o corpo vai tirar energia de outras fontes que não o carbo e tende a usar a proteína. Já durante uma atividade moderada de longa duração, como uma corrida de 15k, ela pode usar o estoque misto, de carbo e lipídio. Só que a pessoa vai entrar em fadiga (o que estudos chamam de exaustão) muito mais rápido do que se não treinar em jejum”, diz o nutricionista.


O ideal para bons resultados é prestar mais atenção às refeições antes e depois do jejum. “Na última refeição, são indicados proteínas com boa qualidade e digestibilidade, legumes, verduras, frutas com casca, cereais integrais e tubérculos, que são alimentos que auxiliam na saciedade, no controle da fome e dão energia para seguir com o jejum”, fala a nutróloga.


Depois, o mais indicado é não ingerir carboidratos simples, como pão branco, macarrão e biscoitos, nem grandes quantidades de comida. “Sempre que se faz um jejum prolongado, a insulina, que é um hormônio que leva a energia ingerida para as células e, assim, gera potência para o trabalho, está baixa, por isso o melhor é que se inicie o pós-jejum com poucos alimentos, de baixo índice glicêmico e, se possível, associados a uma porção de proteínas e de gorduras boas, como azeite e abacate.


Vantagens de treinar em jejum:


– Melhor utilização da gordura


– Melhor resistência


– Mais hormônio do crescimento (HGH)


– Menos desconforto gastrointestinal


Desvantagens de treinar em jejum:


– Perda muscular


– Menos energia


– Estresse


– Não evoluir no treino


fonte: https://www.netshoes.com.br/blog/bem-estar/post/pros-e-contras-do-treino-em-jejum

32 visualizações0 comentário