Hormônio do prazer: entenda os efeitos da endorfina no organismo

Quem pratica atividades físicas com frequência conhece bem o sentimento: relaxamento, bom humor e a sensação de que nada pode te tirar do sério. Após uma corrida, pedalada ou qualquer tipo de exercício, não há quem não se sinta de bem com a vida e em harmonia com o próprio corpo.



As sensações podem variar de pessoa para pessoa, mas a tranquilidade e os efeitos fisiológicos promovidos pela adrenalina durante o esforço são infalíveis. Tudo acontece graças aos efeitos da endorfina liberados no corpo, também conhecida como hormônio do prazer.

Segundo o médico do esporte do Alta Excelência Diagnóstica, Dr. Luiz Riani, a endorfina encontra-se no sangue periférico e funciona como um marcador do efeito de bem estar provocado também por outras substâncias neuroativas produzidas no interior do sistema nervoso central, como a serotonina, a noradrenalina e a dopamina. Durante o processo, são ativadas áreas específicas do cérebro responsáveis pelos sentimentos de prazer e recompensa, inibindo sensações desagradáveis como dor e fadiga.

Um supervocê

Você já deve ter se flagrado pelo uma vez voltando da academia ou de uma corrida de rua com um sorriso no rosto e em um estado quase de meditação. Para liberar o hormônio do prazer cerca de quinze minutos de malhação são suficientes, sendo que os primeiros sempre tendem a ser mais desmotivantes e cansativos. Mas basta entrar no ritmo para logo sentir os efeitos positivos da endorfina. “A evolução do treino deixa a pessoa cada vez mais eficiente para a mesma carga submáxima, fazendo com que atividades habituais se tornem cada vez mais fáceis e exequíveis, com uma sensação positiva e de baixo desgaste físico e emocional”, explica o médico.

A prática frequente de atividades físicas pode influenciar diversas áreas da vida, não só com os efeitos instantâneos de bem estar, como em modificações positivas na qualidade do sono, mais disposição ao longo do dia, equilíbrio hormonal e melhora no funcionamento dos sistemas imunológico e digestivo, além de agirem como incentivo para uma melhor alimentação e abandono de vícios como o tabagismo.

Contra a depressão

Além das sensações de plenitude e bem estar, capazes de modificar o humor e a disposição, a prática de atividades físicas consequentemente também proporciona a sensação de autoeficácia, na medida em que novos desafios são propostos e superados. O tratamento de doenças afetivas como depressão e ansiedade também pode ser beneficiado, já que durante a prática de um esporte são ativados mecanismos que agem modificando o comportamento do sistema cardiovascular e respiratório, importantes para evitar o início e continuidade dos sintomas. “Também devemos destacar o papel social promovido pela atividade física promovendo interações entre as pessoas, as aproximando fisicamente e emocionalmente. Além disso, as modificações estéticas que surgem como resultado natural da prática de exercícios melhoram a autoestima de maneira impactante”, explica o médico.

As consequências de entregar-se a um esporte são inevitáveis: o esforço é recompensado quase imediatamente e além dos benefícios à saúde, a superação de metas e desafios pode de transformar qualquer pessoa em alguém mais confiante e pleno.

Fonte: http://www.sportlife.com.br/corrida/hormonio-prazer-entenda-os-efeitos-da-endorfina-no-organismo

12 visualizações0 comentário